Sobradinho – Fazenda Mugy – Embrapa – 25/07/2009

Brasília, 25 de julho de 2009

Aproveitando o último final de semana de “férias da família” fui pedalar com uma turma de Sobradinho. O Carlos Onofre sempre me chamava mas nunca dava certo.

Peguei o carro e fui me encontrar com o grupo em Sobradinho, no Parque Jequitibá. Cerca de 10 pessoas apareceram para o pedal. Saímos pelos fundos do Jequitibá e tomamos o rumo da Fazenda Mugy. Muita adrenalina na descida chamada Oito e Meio. Descida rápida com muita trepidação, tanta que até perdi minha caramanhola pelo caminho. O famoso Marrom, ciclista das antigas e conhecedor de todos os recantos de Sobradinho, parou para resgatá-la.

bannerlivro

Daí entramos na Mugy. Os belos singles no meio do cerrado estavam cheios de ciclistas. Tudo começa com uma descida bem técnica, e foi nela que meu pneu furou. Não era o meu dia. Estava atrapalhando o pedal. Não tinha levado câmara de ar e tiveram que me emprestar. Cruzamos a Mugy e saímos na DF-205, por onde seguimos rumo a Planaltina. O calor do asfalto foi minando minhas forças. Esse povo de Sobradinho pedala muito forte, a maioria compete. Mesmo assim eu não era o último. Minha bike, recém-revisada, não foi lubrificada corretamente e a corrente secou. Não poderia seguir daquele jeito. Apelei pra galera mais uma vez, para que me emprestassem um pouco de óleo.

Foram quilômetros de asfalto, até começar a terra. Alguns trechos eram de areião e pedalar ficava cada vez mais difícil. Passamos até por um acampamento de sem-terras, já quase no reinício do asfalto. Não consigo entender como aquele povo se sustenta ali, às margens da rodovia, sem água e roças. Eu parei bem na frente de um barraco, onde havia uma pequena árvore que me protegeu do sol, para esperar a turma chegar. Saquei uma Goiabinha Bauduco do bolso e foi aí que vi que uma família no barraco me observava. Uma criança estava com eles e dei-lhe a Goiabinha. Minha boa ação do dia.

DSC02519.jpeg

Ao fundo, o acampamento dos sem-terra.

No local onde o asfalto recomeçou, deixamos a DF-205. Iríamos para a Embrapa. Só fizemos parada para pegar água numa fazenda. Seguimos por carreadores até chegar ao Núcleo Rural Sarandi. Paramos num bar para descansar e tomar Coca-Cola gelada.

Chegou a hora da melhor parte da trilha. Entramos na Fazenda Sarandi. Cruzamos pequeno brejo e entramos na mata. Pegamos trilha sinuosa, que acompanhava pequeno córrego canalizado, desviado com pedras.

DSC02530

Fomos subindo ao lado do riacho e chegamos numa cachoeira. É a Cachoeira da Embrapa, uma bela cachoeira, com águas verdinhas e cerca de três metros de queda.

DSC02529

Como já era tarde, não entramos na água. Cruzamos o rio e do outro lado entramos por um single alucinante. Quilômetros por dentro da mata, sempre subindo, trechos com muito cascalho e pedras soltas, árvores caídas.

DSC02535

Algumas cercas apareceram apenas no final. Assim chegamos numa área próxima à BR-020, para onde seguimos.

Pela 020 voltamos para Sobradinho. No final, às margens da rodovia, ainda pegamos alguns singles para fechar com chave de ouro esse pedal de 65 km.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s