Sabadão Caipora: Rota Monte Alegre – Pratânia – Pratinha – Guarantã – Rubião Jr

Botucatu, 24 de fevereiro de 2007

Tarde de sábado quente no alto da Cuesta. Às 15h, vinte e uma pessoas se encontraram na Bicicletaria Godoy, na Rua João Passos para o Sabadão Caipora. Nunca pedalei com tanta gente. Tinha até alguns ciclistas de Jaú. Tudo bem que alguns foram ficando pelo caminho. Quando chegamos na Staroup, já havia apenas dezenove ciclistas. No pelotão, estavam: Jefferson (Staroup), Ricardo (Staroup), Edu Carrega, Fernando Castro, Genérico, Eduardo Borná, Alexandre Hirota, Guilherme Pilan.

3_DSC01418

Saímos da cidade pela Rodovia Marechal Rondon. Seguimos para noroeste até o trevo de Toledo, onde pegamos a estrada de Monte Alegre.

13_DSC01437

A subida de três quilômetros de asfalto, até o início da estrada de chão, teve a tradicional parada na Fonte da Saúde, que fornece uma fresca e límpida água para os que passam.

DSC00604.jpeg

Seguimos até Monte Alegre, parando pelo menos duas vezes para consertar pneus furados.

33_DSC01463

Numa dessas paradas, à frente da Fazenda Eldorado, tivemos a sorte de encontrar pés de carambola carregados.

42_DSC01473

Visitamos a igrejinha, aliás, a mais bela da região, com sua arquitetura belga.

DSC00612

Depois, mais alguns quilômetros e chegamos a Pratânia. Já eram 18h. Percebi que chegaria bem mais tarde em casa do que havia imaginado. Paramos todos no meio da praça e fizemos um belo piquenique, com refrigerantes, pães com mortadela e espetinhos.

Saímos de Pratânia às 19h. Fomos para Pratinha, distrito de Pratânia. Foi neste povoado que uma simpática senhora, com oitenta anos de idade, veio conversar conosco. Ela não aparentava a idade que dizia ter. Talvez estivesse curtida no álcool, já que trazia um copo de cerveja nas mãos.

O sol se punha e criava belas imagens.

DSC00617.JPG

Continuamos nosso caminho e chegamos em outro povoado, chamado Boa Vista, onde havia uma festa em que assavam uma leitoa inteira na churrasqueira.

85_DSC01525

Foi aí que o filho do Godoy, dono da bicicletaria, começou a passar mal. O pedal acabou para eles, que ficaram ali esperando resgate. O restante do pelotão seguiu seu caminho.

Nossa próxima parada seria no Guarantã. Para chegar lá há uma subida de três quilômetros. Já era noite quando terminei de subir e cheguei no Guarantã. Onde a estrada era aberta, a lua iluminava o caminho, mas quando seguia entre as árvores, guiava-me pela claridade da areia branca que marcava a estrada. Não trouxe lanterna, pois pensei que voltaria para casa ainda durante o dia.

88_DSC01528

No Guarantã, o grupo mais forte, que sempre seguia à frente, decidiu desgarrar-se devido à avançada hora. Segui com eles. Quando chegamos no asfalto que nos levaria de volta à Marechal Rondon, o Fernando insistiu para que fôssemos para Rubião Junior pela estrada de chão, evitando a longa subida da rodovia. Dali até Rubião a estrada é fácil, quase plana. Pegamos bancos de areia e algumas pequenas subidas, mas o caminho é mais longo. Eu já estava cansado, e Rubião parecia não chegar nunca, mas chegou. Entramos pelos fundos do bairro, margeamos a Unesp e depois pegamos a rodovia que leva à Avenida Dante Delmanto. Quando passávamos pelo viaduto sob a Rondon, Ricardo passou de carro com seu filho Roberto, que foi buscá-lo no Guarantã.

Dali, segui rápido para casa, chegando lá por volta das 21h. Foram setenta quilômetros de pedal em seis horas.

2 comentários sobre “Sabadão Caipora: Rota Monte Alegre – Pratânia – Pratinha – Guarantã – Rubião Jr

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s